#1 Leis de UX: Lei de Jakob

A maior parte das pessoas passa mais tempo em outros websites, do que no seu.

👋 Introdução

Calma UX Designer, eu sei que essa afirmação pode parecer muito absurda ou extremamente pretenciosa, mas ela é verdade. A totalidade do tempo que um usuário passa no seu site vs navegando no resto da internet sempre será menor. E o motivo disso é óbvio: você não é o Facebook. É praticamente impossível que uma pessoa abra o computador só para olhar o seu site. E tudo bem até aí — a menos que você esteja forçando usuários a aprender novos modelos mentais de interfaces.

💬 Conteúdo

Um exercício simples: há uma tela em branco na sua frente — olhe para o lugar onde um botão de login deveria estar e depois, olhe para onde a logo deveria estar. Se você olhou para o canto superior direito procurando o botão e depois para o canto superior esquerdo procurando a logo, significa que você aprendeu — aqui ou em qualquer outro site — que esse é um padrão mental a ser seguido.

Por isso, usuários — que passam naturalmente maior parte do tempo em outros sites — preferem que o seu site funcione da mesma maneira que todos os outros sites que eles já conhecem. Eles criam expectativas sobre como o seu site ou sites similares devem funcionar. Quando você decide colocar sua logo na direita e o botão na esquerda, você aumenta o tempo que esse usuário precisa para conhecer a sua interface e então, tomar uma ação. O nome desse efeito é carga cognitiva.

Familiaridade: uma ferramenta poderosa.

No ano passado, durante a pandemia, assisti 100 Humans, da Netflix — uma série sensacional, para quem gosta de UX Research fica aí minha dica. No primeiro episódio eles começam a falar sobre o que faz uma pessoa atraente — ou outros humanos a acharem atraente. No penultimo experimento, vemos a nossa poderosa ferramenta: a familiaridade. Eles exibem um vídeo de 60 segundos no qual mostram 6 rostos de pessoas.

O rosto #4 aparece pelo menos 5x mais vezes do que os outros rostos disponíveis — e por lógica, você passa achar o rosto #4 mais atraente porque já o "conhece".

Como você aprendeu a usar toggles e checkboxes?

Já parou para se perguntar como você aprendeu a navegar na internet? Na verdade, alguns dos elementos que usamos em interfaces, nos são familiares porque vieram de aprendizados do mundo físico.

Controle de um tanque soviético de 1983.
https://material-ui.com/pt/components/switches/

Ao criar interfaces, se aproveite de convenções da indústria ou modelos mentais conhecidos para diminuir a curva de aprendizado que um usuário terá com o seu sistema — deixe que ele aprenda apenas o necessário. Não tente reinventar a roda! Quanto mais simples, melhor ✅

🙃 Conclusão

A Lei de Jakob foi apresentada em 2000 pelo pioneiro em UX Design, Jakob Nielsen e afirma que a maior parte das pessoas passa mais tempo em outros websites, do que no seu. Por isso, as pessoas têm uma expectativa sobre como o seu site deve se parecer e elas gostariam que ele funcionasse da mesma forma como todos os outros sites na internet funcionam.
A partir do efeito da familiaridade, você consegue diminuir a curva de aprendizado de um usuário com uma ferramenta e deixá-lo ainda mais focado na tarefa que ele veio fazer no seu site.

Blog da Daredev 💬 Conteúdos para UX Designers se manterem sempre atualizados.

Blog da Daredev 💬 Conteúdos para UX Designers se manterem sempre atualizados.